Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

YogaProjection

Mantenha o Eu, o Yoga adapta-se. ∞ Keep the Self, Yoga adapts.

YogaProjection

Mantenha o Eu, o Yoga adapta-se. ∞ Keep the Self, Yoga adapts.

Yoga Personalizado

As sessões de Yoga personalizado, são um serviço que visa estreitar a relação entre o Yoga e o praticante, e entre este e o seu corpo, mente e espírito.

 

A primeira sessão é a mais importante e, por isso, gratuita. É nesta sessão que aferimos empatia, intenções e estabelecemos o fio condutor das futuras sessões. A conversa, segue em torno das questões de saúde (física e emocional) do praticante, das expectativas em relação ao Yoga, e do melhor caminho a trilhar para as alcançar.

 

As sessões seguintes, poderão tomar uma infinidade de rumos, uma vez que, estarão completamente adaptadas aos objetivos definidos:

 

Asanas (posturas): as asanas correspondem ao terceiro membro, do que se pode considerar, o caminho do Yoga definido por Patanjali nos Yoga Sutras. São também, a componente do Yoga mais amplamente divulgada e conhecida no Ocidente, pelo que, serão certamente alvo de uma atenção especial nestas sessões de Yoga personalizado. A forma como o corpo será trabalhado através das asanas, nomeadamente, se privilegiamos força, flexibilidade, equilíbrio, relaxamento, um grupo de músculos específico, entre outras possibilidades, dependerá dos objetivos definidos com o praticante. Naturalmente, serão tidas em conta as necessárias contra posturas durante a sessão, e o equilíbrio da mesma, de forma a que o corpo possa, no final, sentir os benefícios plenos da prática.

 

Pranayama (práticas respiratórias): as técnicas de respiração são o quarto membro do caminho do Yoga e, também bastante conhecidas no Ocidente. Acalmam o sistema nervoso, focando e tranquilizando a mente, e geram um clima de serenidade de dentro para fora, que aumenta a concentração. Estas práticas, terão maior ou menor evidência nas sessões de Yoga personalizado, de acordo com as intenções do praticante.

 

∞ Sessões teóricas: havendo interesse por parte do praticante, poderão ser levadas a cabo sessões puramente teóricas, cuja metodologia, terá em conta a forma como o praticante se sente mais confortável em receber a informação, e versarão sobre as temáticas que a este mais aprouverem, dentro da vastidão da literatura associada ao Yoga.

 

∞ Para além do exposto, poderão ainda ser incluídos nas sessões de Yoga personalizado, vários outros elementos, conforme o praticante esteja mais ou menos disposto a aprofundar a filosofia. Destaco os mantras, kryas, bandhas e mudras.  

 

O local da prática será aquele, no qual o praticante se sinta mais confortável. Assim, as sessões poderão decorrer em casa, no escritório, ao ar livre ou em qualquer outro local. Caso o praticante não disponha de nenhum local propício à prática de Yoga, (tranquilo e arejado), será encontrado um local adequado a esse fim, que lhe facilite a gestão da vida diária.

 

Importante reter dois aspetos acerca das sessões de Yoga personalizado.

 

Em primeiro lugar, não haverá qualquer relação aluno-guru, porque não haverá nenhum guru. Mesmo a classificação de ‘professor’, sendo a terminologia internacionalmente aceite, não me apraz. Serei apenas um veículo e um veículo bastante modesto. Esforçado, mas sempre incompleto, face à enormidade do tema.

 

Em segundo lugar, nas sessões de Yoga personalizado, o bem-estar e satisfação do praticante estão em primeiríssimo lugar. Nestas sessões, pode-se (e deve-se), esperar uma atenção redobrada à individuação do praticante, atenção essa que o irá distinguir, enaltecer e cuidar particularmente bem.

 

Até breve,

Inês

DSC_1056.jpg

 (foto por foto.alma)

Yoga no dia-a-dia #2

Paro muitas vezes ao dia. Sou mandriona ou conscienciosa?

 

ilustración-de-una-mujer-representando-cómo-nos-

 

Tenho andado, nas últimas duas semanas, a aprender sobre Yoga restaurativo.

 

Se as primeiras referências ao Yoga restaurativo são atribuídas a B.K.S. Iyengar, que compreendeu a importância do uso de acessórios para auxiliar os alunos na execução das posturas de Yoga, terá sido Judith Lasater, uma sua discípula, a desenvolver um método inovador que consiste numa prática de posturas passivas do Yoga, envolvendo o aluno em acessórios. Esta prática, tem o fim último de ajudar o praticante a alcançar o relaxamento profundo, com proteção, conforto e o mínimo de esforço possível. Miila Derzett, discípula de Lasater, criou posteriormente o método restaurativo, em muito inspirado no método Relax and Renew da norte-americana Judith Lasater, mas incluindo o toque, com intenção de reestruturar laços a partir do afecto, e o diálogo após a prática, com presença e acolhimento.

 

É muito comum, nos dias que correm, revestirmos o descanso e o ócio de caráter negativo, associando-o à preguiça, desmotivação e mandriice. Assim, mantemo-nos acordados mais horas do que o nosso corpo merece, trabalhamos acima do que realmente deveríamos e, permitimo-nos muito menos momentos de descanso do que realmente precisamos.

 

Daqui, resultam invariavelmente situações de fadiga, fraqueza e stress, este último, muito associado ao estilo de vida ocidental. Considerando o stress, como o conjunto de perturbações que ocorrem no nosso organismo, quando estamos perante um estímulo ou um agente agressor, podemos compreender que, nem todo o stress é negativo. É, pelo contrário, necessário à nossa sobrevivência, uma vez que, através da libertação de várias hormonas, entre elas a adrenalina e o cortisol, nos aguça os sentidos e nos prepara para a resposta - lutar ou fugir. Compreendemos o stress como prejudicial, quando passa a ser crónico, ou seja, quando vivemos num estado de ansiedade permanente, com constantes descargas de hormonas de ação. 

 

Se considerarmos que, o simples ato de acordar pela manhã nos exige um pequeno nível de stress, (de forma a nos adaptarmos à nova condição – antes a dormir, agora acordados), compreendemos como, ao longo de um dia normal, a nossa resposta ao stress é constantemente ativada. A criança que cai ao chão, uma buzinadela, a porta que quase se fecha, a reunião à qual chegamos atrasados. Todas estas pequenas situações do dia-a-dia, despoletam reações internas, que balançam o processo de homeostase (equilíbrio) do nosso organismo. Torna-se assim premente, nutrir este mesmo organismo, de hormonas que reponham o equilíbrio e contrabalancem o processo. Se, sempre que dormimos, repomos estas hormonas de forma inconsciente, o que se pretende com o Yoga restaurativo, é que nos permitamos ativar esta resposta de relaxamento profundo, de forma deliberada e consciente.

 

A proposta é que, de um modo geral, baixemos o estandarte do stress. Que deixemos de crer que, para sermos bem-sucedidos temos de ser (ou parecer) stressados. Que podemos ser ativos, ocupados e requisitados sem parecer que nos vamos afogar a qualquer momento. Nesta premissa, reúnem-se não só os estudos que justificam o Yoga restaurativo, mas também o Mindfulness e todas as terapias/filosofias que estimulam a pausa e a atenção plena ao aqui & agora.  

 

No que toca ao Yoga restaurativo, eu, sou só uma curiosa! Será a minha amiga Bárbara Espírito Santo quem terá a mestria de nos conduzir numa sessão completa! Permitamo-nos parar. 

DSC_0163....jpg

 (foto da aula aberta de Yoga restaurativo da Bárbara, no Prema Yoga, Oeiras)